Porém, já em 1978 integrava O Circo, conhecida e badalada banda de Niterói. Neste grupo, esteve com Byafra e outros nomes como Fernando Bittencourt, Marcio Bahia, Humberto Resende, Simiana e Marise de Rezende, parceiros de discos de Marcos Sabino. Neste mesmo ano de 1978, venceu o Festival de Miracema, interpretando a canção “Esperança” (Salu) que saiu em compacto em 1981 juntamente com a faixa “Difícil Entender”, composição do próprio Sabino que se tornou tema da novela “Os Adolescentes” da Rede Bandeirantes em 1981.

Mas, antes disso, já tinha prêmios, como o primeiro lugar no Festival de Campinas, na categoria Melhor Intérprete, e o primeiro lugar no Festival do Rio Grande do Sul, ambas as conquistas em 1980. Nesse mesmo ano, apresentou-se sozinho no Teatro Municipal de Niterói.

Em 1981, Marcos Sabino fez parte da banda do Guilherme Arantes, fazendo coro na clássica música “Planeta Água”, no Festival MPB Shell 1981.

Em 1982, lançou o LP “Reluz” e se firmou como grande músico e intérprete, levando à sua música às paradas de sucesso da época, isso alavancado pelo sucesso da faixa-título, de sua autoria, carro-chefe de um disco que vendeu mais de um milhão de cópias e lhe rendeu vários prêmios.

Em 1983, gravou o LP “Iluminar”, pelo qual foi contemplado com um Disco de Ouro, pelas 100 mil cópias vendidas.

Neste Álbum, tem as suas composições “De Qualquer Maneira”, parceria com Dalto, “Na Mira do Olhar” (composta com Wânia Andrade e Solange Böeke) e “Ventania”, esta feita juntamente com Humberto de Rezende e Fernando Bittencourt, parceiros de O Circo.

Em 1985, gravou o LP “Simples Situation”, contendo suas canções “Tudo Por Amor”, “A Luz do Seu Olhar” com Cláudio Rabello  e “Fogo Sagrado”, com Rabello e Luiz Eduardo Farah, também um dos parceiros de O Circo. Este disco estourou com a faixa que foi tema de novela da Globo (“Ti Ti Ti”), a dançante “Dança das Horas” de Torquato e Claudio Rabello.

Em 1989, lançou o LP “Romance e Prazer” pela gravadora RGE, no qual registrou suas composições “Adoro” (com Paulinho Lima e Dalto), “Meia-noite, Baby” (com Dalto), “Um caso de Amor” e “Simples e Demais”, ambas com Cláudio Rabello, parceiro de muitas canções.

Outros artistas gravaram canções de Marcos Sabino como, Leandro e Leonardo, Dalto, Fábio Júnior, Simony, Mara Maravilha, Jerry Adriani, Marcelo, Afonso Nigro, Léo Jaime, Leonardo, Eliana Printes e os conjuntos The Fevers, Fat Family, Carrapicho e Fanzine, entre outros.

Realiza em seu estúdio (ESTÚDIO RELUZ) produções musicais para as gravadoras Som Livre, Sony Music, EMI, BMG e Niterói Discos.

Em 2001, gravado em seu estúdio e lançado sob o selo RELUZ MUSIC, Sabino lançou um CD com o amigo e compositor Paulo Ciranda, trabalho que contou com a participação da banda FORRÓ BEM TE VI em todas as faixas.

Em 2005, lançou o CD “Marcos Sabino”, contendo canções inéditas e também algumas releituras, como “Na Mira do Olhar” e uma gravação ao vivo de “Reluz”, o maior sucesso de sua carreira no disco.

Em 2011 participou da edição 2011 da Festa Nacional da Música, Sabino já participou de cinco edições do evento, nas décadas de 1980, quando o encontro se chamava Festa Nacional do Disco.

Marcos Sabino continua na ativa e, em 2018, lançou com o cantor Byafra, conterrâneo e artista contemporâneo, a música “No Tempo Em Que a Gente Podia Namorar no Portão”, faixa originalmente de 2007. Como muitos artistas do Brasil, Marcos Sabino se ausenta do disco, mas nunca do público e continua sua agenda de shows pelo país.

Atualmente continua residindo em Niterói, no Rio de Janeiro, onde em casa, possui um estúdio de gravação, aonde grava seus próprios discos e faz trabalhos para outros cantores.